sábado, 16 de janeiro de 2016

Shaxi: de volta ao passado


 



Lembra do filme “De Volta Para o Futuro”? 
Assim como Marty McFly , nossa viagem a Shaxi foi como voltar no tempo uns 70 anos atrás, só que sem a DeLorean. Sem sombra de dúvidas, o lugar mais autêntico que visitamos em toda a China.

Shaxi é uma pequena vila mas com um passado grande, que fica bem entre Dali e Lijiang, dois dos destinos mais turísticos da província de Yunnan. Dizem que Shaxi é provalvemente a cidade mais bem preservada e o ponto de início da antiga rota do chá (também conhecida por ‘Tea Horse Road’), que levava a especiaria de Yunnan até o Tibet em troca de cavalos. E foi graças a essas rede de comércio estabelecida há mais de 1000 anos atrás, que a cultura do chá se espalhou pela China e pela Asia. 



Hoje, a cidade é um tranquilo vilarejo no meio de um bonito vale, protegidos pelas montanhas Shibao, que contém centenas de templos com imagens e esculturas de Budas e Bodhisattvas.


Chegar em Shaxi foi um pouco complicado, e talvez por esse motivo, a cidade ainda permaneça razoavelmente protegida do turismo de massa, que encontramos literalmente em todos os lugares por onde estivemos na China. Mesmo assim, muitas das edificações antigas estão sendo “renovadas” para dar lugar à hotéis Boutique e comércio local, o que nos leva a pensar que o estilo de vida tradicional dessa região está com os seus dias contados.



O ônibus parte do terminal de ônibus Norte (客运北站) em Xiaguan, nova Dali. Para chegar em Shaxi é preciso ir primeiro para Jianchuan (剑川), fazendo com que a viajem de apenas 120 kms, dure 5 horas, em média. Chegando em Jianchuan, é só perguntar pela minivan para Shaxi, que geralmente sai assim que o veículo esteja cheio de passageiros. O ticket de ônibus de Dali-Jianchuan custa 39CNY e a minivan Jianchuan-Shaxi 13CNY por pessoa, ou seja, USD 8.50 por todo o tramo.



Existem basicamente duas ruas principais em Shaxi, e as pousadas mais charmosas estão perto da praça central (Sideng Square). Entre árvores milenares, ruas de pedra, o templo Xingjiao e um antigo teatro ao ar livre aonde, com muita sorte, se pode apreciar apresentações de música e dança local, o ‘Sideng Square’ é um dos cartões postais de Shaxi.




Sexta é dia de feira, e nesse dia, Shaxi se transforma completamente. Seguindo a mesma tradição que começou ainda no tempo das Caravanas de chá, todas as sexta-feiras sem falta, centenas de pessoas dos vilarejos visinhos e das montanhas ao redor do vale Shaxi, se reunem para comprar or trocar todos os tipos de produtos, desde frutas, legumes e carnes frescas, até panelas, vassouras, vacas e cavalos.



O que diferencia esse mercado de outros na Asia, são as pessoas. Nunca vimos tanta gente de minorias étnicas ‘Bai’ e ‘Yi’, vestidas com seus trajes tradicionais, saias coloridas, camisas bordadas e adornos na cabeça. 



Foi incrível ver essa gente enchendo as suas cestas de palha com a compra da semana, enquanto se atualizavam das últimas fofocas. E os que não estavam com uma cesta nas costas, levavam uma criança atada em um tipo de “canguru” que na verdade é uma manta de veludo lindíssima bordada a mão. 



O tempo parou por aqui e parece que ninguém percebeu. Nunca esqueceremos dos rostos que vimos no mercado de Shaxi.





Para os mais dinâmicos, há uma variedade de atividades e lugares para explorar nas redondezas de Shaxi. 



Nós alugamos uma mountain bike e fomos até Bai Long Tan (白龙潭; Lago do Dragão Branco), que fica há mais ou menos 8km da cidade antiga. O cenário é de filme. Não é a toa que os locais acreditam que o lago seja sagrado. Uma nascente subterrânea é responsável pelo pequeno açude de água transparente e cor esmeralda, que fornece água potável para todo o vale. 



Nunca senti tanta paz em toda a China. Aproveitei para meditar e em quase uma hora que estivemos por lá, vimos apenas duas pessoas. A subida de bike nos dois últimos kilometros é bastante puxada, mas vale muito a pena.



E para celebrar o meu aniversário resolvemos fazer um trekking nas montanhas Shibao Shan (石宝山), uma reserva florestal e um santuário religioso Budista que fica uns 11kms ao norte de Shaxi. 



Conheço muita gente que diria que subir picos intermináveis por quase 3 horas não classifica como ‘celebrar’, mas foi muito gratificante completar essa caminhada aos meus 34 anos e, de quebra, ver lindas paisagens, templos, grutas e reliquias budistas esculpidas em pedra.



Gostou do post? Deixe o seu comentário e não se esqueça de subscrever o nosso canal do Facebook e do YouTube!





....



Shaxi

Nenhum comentário:

Postar um comentário