quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Yunnan: Finalmente China!

 




Depois de quase dois meses rodando por esse imenso país, finalmente podemos dizer que chegamos na China. Nossa primeira parada foi Dàlǐ, uma pequena cidade ao noroeste da província de Yunnan, que nos transportou direto ao nosso imaginário com direito a todos os clichês: casas tradicionais, pontes em arco, muralhas e camponeses usando chapéus pontiagudos.

Muita gente nos pergunta como é que planejamos a nossa viagem, e confesso que muito do planejamento consiste basicamente em perguntar para locais e outros mochileiros aonde eles nos recomendam conhecer. Yunnan foi um desses lugares que todo mundo nos indicou. Mesmo assim, chegamos em Dali sem saber ao certo o que esperar e fomos recebidos com uma agradável surpresa.



A começar pelo hostel aonde ficamos que foi, sem sombra de dúvidas, o melhor de toda a China. Depois de longas 18 horas, incluíndo 2 trens e um ônibus no trajeto desde Chongqing, estávamos simplesmente arrebentados. Já no check-in recebemos um upgrade. Jura? Upgrade na China? O nosso quarto agora era uma espaçosa e iluminada cobertura, com vista ao lago. Depois de um banho, uma soneca e já mortos de fome, fomos convidados a jantar com a família. De graça. E sem brincadeira, a comida mais deliciosa que já provamos até então. Máquina de lavar grátis, bicicleta para dar um rolê também. Não é a toa que acabamos ficando 5 dias aqui. O nome desse achado: “Traveling With” Hostel Dali, em português “Viajando Com”. Meio esquisito já sei, imagino que deve fazer sentido em chinês.



A cidade antiga, apesar de turística, tem o seu encanto. Ficamos fascinados com a arquitetura local, onde todas as casas seguem o mesmo estilo, bem característico da província de Yunnan: paredes brancas e decoradas com diversos detalhes pintados a mão, elaborados portões chineses, telhas cinza e base de pedra.



E se você ainda não se cansou de ver templos, muralhas e edificações antigas, aqui estão as famosas Três Pagodas, o cartão postal de Dali e – com quase 70 metros de altura – considerada uma das pagodas mais altas na história da China.



Mas o maior atrativo de Dali para nós foi o passeio ao longo do Lago Erhai. Pela primeira vez na China alugamos uma scooter elétrica, com autonomia para 120km. E foi incrível percorrer pelas cidades, campos e vilarejos observando o dia-a-dia das pessoas, o vestuário, as pessoas e seu sorriso e a simpatia ao nos ver passar. 



A grande maioria da população que vive aqui são de uma minoria étnica chamada “Bai”, e é fácil de notar o grande esforço feito para presevar a cultura, língua e as tradições, mesmo com a imensa pressão exercida pelos “Han”, que constituem 92% da população na China.



Nós gostamos tanto do passeio, que resolvemos arriscar e dar a volta completa no lago (um total de 150 km), mesmo sabendo que corríamos o risco de ficar sem bateriano meio do caminho. 



Almoçamos no vilarejo de Shuanglang e aproveitamos para plugar a moto enquanto fomos conhecer a cidade. Ao contrário de outros povoados pelo qual passamos, infelizmente Shunglang já perdeu muito de sua autênticidade devido à construção desenfreada e falta de planejamento urbanístico, alavancada pelo aumento do turísmo local.



O dia estava lindo. Cenário e luz perfeita, condições ideais para qualquer fotógrafo, mesmo que amador como eu. O dia passou rápido e quando nos demos conta, já havia entardecido e ainda nos faltava 40 km. Eis que aconteceu o que mais temíamos: ficamos sem bateria. Para nossa sorte, foi justo na frente de um condomínio aonde o segurança, um senhor muito simpático, nos acolheu dentro de sua guarita. A realidade é que, embora essas motos sejam silenciosas e econômicas, praticidade não é o seu forte. Levou UMA HORA para recarregar a bendita bateria o suficiente para que pudéssemos completar os últimos 20 km que nos faltavam. Hoje aprendemos algo novo: NUNCA percorrer mais do que a moto elétrica é capaz de fazer.



E se um lado da cidade é banhado pelo lago Erhai, do outro, as montanhas Cangshan formam o pacote completo. Não podíamos ir embora sem deixar as nossas pegadas por lá. Ao total são 19 picos, com diversas opções para caminhadas. Nós resolvemos ir pela que é grátis, e que fica bem atrás das 3 pagodas. 



Depois de uma subida cruel debaixo de Sol forte, finalmente chegamos a um bonito bosque e seguimos um riacho até chegar a umas pequenas quedas d’água. O ambiente é ideal para desconectar do corre-corre, do calor e da turistaiada.



Dali, como o próprio nome sugere, é mesmo uma obra de arte!





Dali, Yunnan Province

Nenhum comentário:

Postar um comentário