quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Cinco coisas que você precisa saber para viajar solo na China

 


Cinco coisas que você precisa saber para viajar solo na China



Difícil de imaginar algo mais frustrante do que chegar na China despreparado. E olha que podemos falar do assunto com propriedade, porque quando chegamos aqui pela primeira vez (em Maio 2015) parecia que havíamos aterrissado em um outro planeta sem GPS e máscara de oxigênio. Em nenhum outro lugar nos sentimos tão ‘aliens’ como na China. 



Absolutamente ninguém fala inglês, e tanto o Mandarim quanto o Cantonês, são impronunciáveis. Pode tentar quanto quiser, eles não vão te entender. Pedir informação de qualquer coisa, mesmo coisas simples como “Aonde fica o ponto de ônibus?” poder ser uma tarefa muito frustante e exaustiva. 

E para completar, todos os recursos tecnológicos que qualquer viajeiro moderno utiliza, principalmente naquelas horas de aperto (Google maps, por exemplo), estão bloqueados aqui.


Mas com um pouco de preparo, a sua experiência viajando solo na China poder melhorar exponencialmente. Nesse post vamos compartilhar as 5 coisas que você precisa saber para viajar solo na China.

1.Download uma conecção VPN antes de viajar



O VPN (virtual private network) é uma rede privada virtual que basicamente permite ao usuário se conectar a Internet através de outras localidade, ou seja, mesmo estando na China, com esse aplicativo é como se estivéssemos conectados em Los Angeles, Amsterdam ou Singapura. E se você é como eu, que depende de Google para tudo, o VPN é a melhor coisa que pode acontecer durante a sua estadia na China. 


E não estou falando só do buscador. Todos os produtos Google estão bloqueados – Gmail, Google Maps, Google Play, YouTube, Picassa, Blogger. É nessa hora que aquela conta no Hotmail vem a calhar. E se o seu telefone for Samsung, piorou. Porque o sistema Android também é da Google, então você não poderá usar o Play Store para baixar nenhum aplicativo alternativo. E se isso não for incentivo suficiente, o Facebook, Instagram, Twiter, Dropbox, Flickr, MySpace também estão bloqueados. 

A única coisa que ainda funciona sem VPN é o Whattsapp e o WeChat (que todo mundo usa na China), mas talvez quando você leia esse post, tudo pode ter mudado. Nós estamos usando o ExpressVPN, e pagamos 13USD por 30 dias de acesso para dois celulares e um computador. Super recomendo

2. Download pelo menos um Frasebook e um aplicativo de tradução



A nossa segunda visita à China (Outubro 2015) tem sido muito mais tranquila desde que baixamos o “Pleco”. O mais legal desse aplicativo – além de ser grátis – são as diferentes ferramentas de tradução, como a leitura de caracteres automática com a câmera do telefone, e um pincel aonde você mesmo pode escrever o caracter, e o aplicativo reconhece e traduz. 


Recomendamos ainda baixar outros apps com frases prontas (Chinese phrasebooks) do tipo “Quanto custa?”, “Aonde fica?” e “Sem pimenta” – esse usamos todo dia, e é super fácil: “Bu Lá”. Nós usamos o “Learn Chinese”e “Chinese Lite”

3. Reserve acomodação com, pelo menos, um dia de antecedência



Diferente de todos os países que estivemos antes, aonde preferimos procurar acomodação assim que chegamos em determinada cidade, na China, esse conceito é impensável. 
Primeiro porque não existe um “Backpacker district” com várias opções uma ao lado da outra, e as distâncias são consideráveis. Depois que os preços online são muito mais baratos do que “tentar”negociar direto no hotel. 

Recomendamos o “Booking.com” que, sem sombra de dúvidas, é o melhor app de reserva de hotéis no mercado. Fácil, confiável, não te cobra depósito nem taxa administrativa – o pagamento é direto no hotel.

Atenção que aqui na China há hotéis bons e baratos, mas que aceitam apenas cidadãos Chineses, ou seja, não recebem estrangeiros. Nunca reserve hotéis que digam “Mainland Chinese Citizens”

4. Ande sempre com uma caderneta com tudo anotado em Chinês



Espontaneidade é um luxo que sai caro, e planejamento aqui na China é uma necessidade. Escolha sempre um hostel em que os reviews sejam “Boa localização e recepcionistas que falam inglês”. 


Não saia do hotel sem ter todos os lugares que você quer ir, estação de metrô, ponto de ônibus, nome do hotel, do museu, ou da montanha em Chinês. E lembre-se de pedir como faz para ir e como voltar. 

Já aconteceu da gente sair para um passeio e depois não saber como chegar ao hotel, porque esquecemos de anotar o nome do ponto de ônibus do hotel. Nessas horas vocês agradece ter tudo “pinned” no Google maps.

5. Use transporte público



Uma coisa aqui na China que é realmente excelente é o transporte público. A maioria das cidades tem metrô novos e super modernos, com linhas que chegam em todos os lados. E se não chegar de metrô, chega de ônibus. 
A princípio a idéia de andar de ônibus pode parecer um pouco assustadora, mas confie na gente. Uma vez que você tem o nome da estação escrita em Chinês, todo mundo te ajuda.


O custo da passagem de ônibus varia entre 1 – 2 yuan (0.20 USD) e de metrô entre 2 – 8 yuan (0.20 – 1 USD) dependendo da destinação final. E o stress que você economiza não tendo que explicar para o taxista aonde você quer chegar, mais a volta que ele vai te dar, valem muito a pena. 


Todas as estações de metrô tem máquinas automáticas de venda de bilhetes, e o melhor, com a opção de inglês. Você escolhe a sua estação, o número de tickets, insere o dinheiro, e a máquina dispensa o cartão (ou toquen) magnético e o troco.

Não acredita em mim? Veja aqui que fácil é andar de metro na China:





Nenhum comentário:

Postar um comentário